Linha de separação


21 de fevereiro de 2017

Gécia- jogos de sombras

A dissimulação continua .


Falam num acordo mas nada está decidido ! Mudam o vocabulário: não se exige à Grécia medidas de austeridade , mas medidas estruturais que preveem novos cortes nas pensões e novos limites, de modo a facilitar a passagem no Parlamento grego
 O governo Grego na sua cedência habitual diz que apresentará medidas que apoiem os mais desfavorecidos sem precisar. Resta saber como vai reagir o Parlamento e o povo Grego
 As questões colocadas pelo FMI continuam sem resposta e a questão da dívida sem resolução . Fica para quinta com Dona Merkel e a Lagarde e com o governo grego de fora!
 O jogo do empurra vai continuar . Em julho a Grécia tem elevados pagamentos a fazer  e até lá as coisas têm de estar resolvidas e certamente não com cedencias da Alemanha .
É que as eleições alemãs falam mais alto!





1


20 de fevereiro de 2017

A FOME

BRUNO GUIGUE
L. G. S.
Si on voulait vraiment la preuve que la faim n’est pas un accident climatique ou je ne sais quelle fatalité qui pèserait sur des contrées abandonnées des dieux, il suffirait de regarder la carte des famines à venir. Dressée par l’économiste en chef du Programme alimentaire mondial, Arif Husain, cette carte est édifiante. Selon lui, 20 millions de personnes risquent de mourir de faim dans quatre pays au cours des six prochains mois : le Yémen, le Nigéria, le Sud-Soudan et la Somalie (http://ici.radio-canada.ca/nouvelle...). Or la cause majeure de cette insécurité alimentaire est politique. Quand elle n’a pas directement provoqué le chaos générateur du non-développement ou la rupture des approvisionnements, l’intervention étrangère a jeté de l’huile sur le feu. La guerre civile et le terrorisme y ont ruiné les structures étatiques, banalisant une violence endémique et provoquant l’exode des populations.
Au Yémen, les bombardements saoudiens, depuis mars 2015, ont généré un désastre humanitaire sans précédent. (:::). En fournissant son arsenal à Riyad, les puissances occidentales participent à ce crime de masse.

A Europa dos valores !

Grécia
Uma nova reunião foi marcada para Berlin para a próxima quarta feira entre Merkel , Christine Lagarde e Junker
O governo Grego está excluído da reunião ! 
A França também !  
Temos sem disfarces a Europa alemã ,  o desacordo entre os credores ...e a Grécia tratada como uma colónia de segunda.
Grande Europa ! 
Os evangelistas do "Europeísmo" não têm nada a dizer ?




19 de fevereiro de 2017

Não há um votinho na AR

Yemen - Um conflito tenebroso

Os SauditasWahhabistas bombardeiam intensamete há meses o Yemen com o apoio dos EU e CIA tentando colocar de novo no poder os seus  homens de mão depostos e refugiados neste país
A Arábia Saudita e os Emiratos Arabes Unidos pretendem controlar de novo os portos no Yemen ( Aden e Mukalla-petróleo e gás- ..) para os seus pipelines
O coordenador das Nações Unidas para o Yemen . declarou que esta guerra já fez mais de dez mil mortos , há milhares de deslocados e milhares de crianças a vaguear pelo território.
A coberto da Guerra  de religiões -Sunitas e Xiitas - e das rivalidades tribais é ainda e sobretudo os interesses petrolíferos que estão na essência desta guerra silenciada pelos E.U e imprensa do sistema.
Os comentadores que tantas lágrimas verteram pela Síria não têm umas lágrimas para o Yemen ?
E os grandes moralistas e defensores dos direitos humanos não apresentam um votinho na A.R. ?

18 de fevereiro de 2017

Uma opinião

El año de la Gran Muralla

R.



Es posible que 2017 sea recordado en la historia como el año de la Gran Muralla. ¿Por qué? Porque Donald Trump, el nuevo presidente de Estados Unidos, está decidido a edificar una monumental barrera de protección en la frontera con México para impedir, según él, la ‘invasión’ de los inmigrantes ilegales venidos del ‘peligroso Sur’...

Al mandatario estadounidense, alguien debería recordarle lo que la Historia precisamente enseña: que casi nunca esas ciclópeas fortificaciones detuvieron nada. ¿No construyeron acaso los chinos, en la antigüedad, la impresionante Gran Muralla para detener a los mongoles? ¿No elevó el Imperio romano, en el norte de Inglaterra, el colosal Muro de Adriano para rechazar a los bárbaros de Escocia?  Es conocido, en ambos ejemplos históricos, que los gigantescos vallados fracasaron. Los mongoles pasaron, y también los manchúes, y los caledonianos... Como seguirán pasando, hacia Estados Unidos, los mexicanos, los centroamericanos, los caribeños, los musulmanes... En la eterna dialéctica militar del escudo y la espada, la respuesta a la Gran Muralla de Donald Trump serán los miles de túneles subterráneos que probablemente los parias de la tierra ya están perforando...

Pero es que, además, surge otra contradicción. Por una parte está el anunciado Plan de inversiones de Trump de un ‘millón de millones de dólares’ en obras públicas para reconstruir, como en un nuevo New Deal, las infraestructuras, aeropuertos, carreteras, puentes y túneles en todo el país. Lo cual debe relanzar la actividad económica, el crecimiento y, sobre todo, crear millones de empleos. Pero, por otra parte, ya hay pleno empleo en Estados Unidos... Bajo el presidente Barack Obama se crearon doce millones de puestos de trabajo[i]. La paradoja es que, en realidad, hace falta mano de obra... Y faltará todavía más si Donald Trump expulsa, como prometió, a once millones de trabajadores inmigrantes ilegales... ¿Quién construirá la Gran Muralla, los puentes, las carreteras y los túneles?

Hipocritas


Por que é que o PSD está calado em relação à solução Montijo e o CDS disfarça pedindo os estudos ao governo que suportam a opção Montijo ?

                                                   Uma solução atamancada
" O contrato de concessão que foi celebrado entre o Estado e a ANA, no contexto da privatização, apontava possibilidades de solução, mas mais uma vez não se avançou com uma solução definitiva na altura. Aliás, alterou-se aquilo que era uma solução que vinha do passado que era a ideia que a própria concessão pudesse financiar a construção desta capacidade aeroportuária.

O Estado decidiu, na altura, receber verbas significativas, cerca de 3 mil milhões de euros por parte da entidade privada, e agora temos de avançar com uma solução que seja sustentável para a região de Lisboa e para a nossa economia e para o nosso turismo." declarações do ministro Pedro Marques à Renascença

"O contrato de concessão que foi celebrado entre o Estado e a ANA, no contexto da privatização, apontava possibilidades de solução, mas mais uma vez não se avançou com uma solução definitiva na altura. Aliás, alterou-se aquilo que era uma solução que vinha do passado que era a ideia que a própria concessão pudesse financiar a construção desta capacidade aeroportuária." Pedro Marques à Renascença

17 de fevereiro de 2017

Segunda dia 20

O FMI diz que não entra no resgate, que não empresta mais à Grécia porque a sua dívida é insustentável .
Do lado Europeu continuam as pressões , embora com algumas divergências e continuam a afirmar que não aceitam uma redução da dívida à custa dos "contribuintes , melhor dizendo à custa dos seus bancos e fundos financeiros . Mas sobretudo não querem uma saída da Grécia em desastre da Zona Euro em vésperas de importantes eleições...
Da parte do governo Grego , já se viu tudo , como bons esquerdistas de radicalismo verbal , mas o seu ministro da economia Dimitris Tzana Kopoulas afirma que a "Grécia não tem mais necessidade, nem tomará mais medidas de austeridade "
Por sua vez o execrável presidente do Eurogrupo o mui socialista Jeroen Dijssebloen diz beatamente: " cada um compreende claramente que é do interesse de todos finalizar rapidamente " um acordo !
O FMI diz que segunda dia 20 é o limite , mas ScHauble ainda não piou .
 Ah !Grande UE , da solidariedade e dos valores